Saudade ou retrocesso?

Home / Notícias / Saudade ou retrocesso?
saudade

Saudade ou retrocesso?

Vista como retrocesso por uns e lembrança afetiva por outros, “onda retrô” cria polêmica quanto aos seus prós e contras
JULIA GUIMARÃES

Na última edição do Oscar, a atriz Penelope Cruz foi considerada a mais bem vestida da noite por especialistas de moda. O vestido escolhido – um tomara-que-caia creme desenhado há 60 anos por Pierre Balmain – demonstra a força do vintage numa área que constantemente volta seus olhos para o passado: a moda.”Vejo nas passarelas uma busca muito grande por ícones de outras épocas. Acredito que essa busca seja uma maneira de trazer segurança ao trabalho, pois é mais fácil apostar no que já deu certo”, opina o stylist Rodrigo Cezário. Ele explica que alguns consultores de moda já veem a “onda retrô” como retrocesso. “Gosto de uma frase da Regina Guerreiro que diz: ‘os estilistas precisam parar de lembrar e começar a imaginar’. Na realidade, a gente está tentando encontrar uma cara do século XXI buscando referências no passado. Mas acho que só quando essas referências já se mostrarem suficientemente gastas é que poderá surgir algo novo.”Para Cezário, a tendência retrô não se refere necessariamente a uma crise de criatividade dos estilistas. “Eles estão até sabendo usá-la bem num momento de recessão.” A grande dificuldade, na sua opinião, está em conseguir criar algo realmente novo. “Enquanto a tecnologia avança e tudo torna-se cada vez mais rápido, por outro lado o excesso de informação e de coisas existentes dificultam a criatividade”, diz.Cezário conta que este ano o trabalho da estilista Coco Channel foi o eleito para ser revisitado.
Do bolachão à eletrônica

Na música, o culto ao passado pode ser traduzido tanto por uma vertente que valoriza o velho e bom bolachão (o disco de vinil) quanto por outra que já consegue garimpar raridades e criar releituras na recém-surgida música eletrônica.Fundado em 2003, o “Clube do LP” é uma congregação de amigos belo-horizontinos que se reúne mensalmente pelo amor de rodar velhos discos na vitrola.”Acho que as pessoas que se reúnem com a gente gostam mesmo é dessa lembrança saudosista. Mas têm muitos jovens que chegam lá interessados em curtir algo diferente”, avalia Ricardo Marques, membro-fundador do clube e que uma vez por mês toca alguns de seus 2.800 vinis na cervejaria Frei Tuck.Já na área da música eletrônica, o resgate retrô tem lugar certo: a festa Vintage, que acontece mensalmente na boate naSala. “O principal mote é a releitura dos sucessos que embalaram a pista da naSala desde nossa abertura, em 2000. Mas, além disso, brincamos com a decoração e a iluminação da casa e colocamos várias guloseimas que remetam à infância de nossos clientes”, conta Bruno Carneiro, proprietário da casa noturna. Mais do que tendência, Carneiro acredita que a mania retrô seja algo atemporal. “Revisitar coisas que nos deram prazer no passado é sempre uma zona de conforto e valoriza nossas experiências e lembranças, mas não é como um efeito de moda, que passará…”, opina. (JG)

fonte: Jornal Pampulha (04 a 10/04/2009)

Leave a comment

If you want to share your opinion, leave a comment.

Logged in as . Log out?

You may use these HTML tags and attributes:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

Categorias

thời trang trẻ emWordpress Themes Total Freetư vấn xây nhàthời trang trẻ emshop giày nữdownload wordpress pluginsmẫu nhà đẹp